diário de uma coleta
Biologia

diário de uma coleta


The day after... antes do trabalho propriamente "de bancada" em um laboratório de genética molecular, existe um outro que nem sempre parece óbvio aos olhos de quem pensa nas práticas de estudo do DNA: a coleta de campo, onde são obtidas as amostras para estes estudos de DNA.

O cenário de pesquisa aqui é a análise da variabilidade genética de moscas, considerando tanto as diferenças genéticas entre os indivíduos de uma mesma espécie (variabilidade genética intraespecífica) quanto a diferença genética entre as espécies (variabilidade genética interespecífica).

Mas... de onde vem estes indivídos cheios de informações genéticas que serão comparados para que as diferenças entre eles sejam evidenciadas e interpretações sobre diversidade biológica sejam formuladas?

A busca por estas evidências fomenta projetos de pesquisa e a formação de jovens pesquisadores de iniciação científica e pós-graduação, além de alimentar o moto-continuo da construção de conhecimento científico. E a resposta sobre a origem das amostras, neste exemplo de pesquisa, é a natureza. As moscas doadoras de DNA são oriundas de ambientes naturais bem preservados como Mata Atlântica, Cerrado, etc. 

E lá vão os pesquisadores (sim, geneticistas também podem) aventurar-se nas matas e campos para encontrar (e capturar) o DNA, quer dizer, as moscas!

Registro no via gene alguns “flashes” de visitas com intuito exploratório para conhecermos um pouco mais sobre a diversidade de algumas moscas do Parque do Zizo (uma RPPN em São Miguel Arcanjo/Tapiraí - SP) e em uma área preservada do Instituto Arruda Botelho (Itirapina - SP). Este comentário/post em particular é dedicado ao Parque do Zizo.
 
Querido diário:
Coleta com puça

No dia 1° de fevereiro realizamos uma viagem para o Parque do Zizo (próximo a São Miguel Arcanjo, SP) e, ainda na estrada, nos deparamos com a carcaça de um cachorro do mato atropelado (o estado geral de decomposição indicava que fazia tempo). Junto à carcaça encontramos muitas moscas de hábitos saprófagos, como espécies da família Calliphoridae, adultos e larvas, além de besouros decompositores e outros insetos.

Apesar de ser uma nota triste (o atropelamento), conseguimos nossas primeiras amostras aqui, tomando o devido cuidado para não sermos vítimas na estrada durante esta atividade.

E seguida um pouco da vista mais adiante quando a estrada se transforma em uma trilha conforme se aproxima do parque:
Acesso ao Parque do Zizo
Manacá-da-serra

A estrada vai se modificando até transformar-se em uma paisagem cada vez mais cercada pela vegetação, úmida e esteticamente reconfortante, convidando os pesquisadores a conhecê-la e explorá-la.

Paulo (IC) e Gilson (piloto oficial UFSCar)
A viagem teve apoio incondicional do Paulo (esquerda) na coleta propriamente dita e na caracterização do ambiente e do Gilson que nos conduziu até nosso destino e de volta à UFSCar, demonstrando habilidade para apontar pegadas de animais silvestres e discorrer sobre búfalos, pesqueiros e gastronomia durante todo o percurso. Ao fundo começa-se a visualizar o portão de entrada do parque. Agradeço a estes colaboradores, movidos a sanduiches e guaraná, pelo apoio.
 
O córrego que nos recepciona

Há várias trilhas no parque mas, nesta visita técnica para caracterização da área, nós fomos mais conservadores e exploramos apenas duas rotas: uma ao longo deste córrego (Rio Ouro Fino) e outra morro acima, revelando dois ambientes bem distintos. Mais informações sobre as trilhas aqui.
Pesquisador e seu material de coleta
Estamos nas instalações do parque, que possui estrutura de pousada, muito utilizada por observadores de aves e outros curiosos da natureza selvagem. Para a coleta, estamos munidos com puçás, gaiolas, iscas e frascos de "n" utilidades, além de perneiras e chapéus para garantir nossa segurança e podermos nos concentrar mais nas moscas do que nas cobras que eventualmente poderiam querer participar do roteiro (felizmente, não vimos nenhuma cobra).
Lindas bromélias

Lindas bromélias sobre tronco caído
A cada trecho percorrido uma infinidade de bromélias saudava os visitantes e se distribuia em arranjos decorativos preparados ao acaso como se espera encontrar em uma mata natural bem preservada. Neste caminho nos deparamos com outras entidades plenamente integradas ao seu habitat natural:



Qual espécie de anfíbio será esta?
Encontramos este indivíduo sob a água (esquerda), deixou-se fotografar, imóvel, parecia fazer parte do fundo do córrego.
.
camuflado: siga o dedo indicador...

Foi quase sem-querer que encontrei este outro pequeno anfíbio que se confunde com os gravetos e folhas secas do chão da trilha. Além da coloração muito semelhante ao substrato, o corpo tem estruturas que lembram mesmo um gravetinho.

o que vc achou do meu disfarce?
Espécie: Ischnocnema guentheri

Agradeço ao Prof Fernando Rodrigues, da UFSCar - Sorocaba e seus contatos pela disposição em investigar a identidade taxonômica dos anfíbios que encontramos durante nossa coleta (ainda vamos chegar nas moscas!).

Espécie: Physalaemus olfersii

Encontramos ainda mais uma espécie de sapinho no chão úmido da trilha do rio Ouro Fino. Também esta espécie utiliza-se da estratégia de camuflagem para confundir os observadores, ou predadores de plantão. Transformam-se em "folhapos" ou "sapolhas", de tão integrados aos folhiços. Estão vendo a criatura na parte superior da imagem?



Trilha e Rio Ouro Fino: coleta na margem

Na trilha do Ouro Fino selecionamos este ponto para as coletas, disponibilizando iscas (peixe em decomposição) para atrair espécies de moscas saprófagas e tentarmos capturá-las com redes entomológicas (o famoso puçá), classicamente associado à coleta de borboletas, mas que é um recursos precioso na captura de dípteros.


 
Finalmente: A MOSCA!


E nossa personagem principal, a MOSCA. Muitos indivíduos permanecem pousados sobre a vegetação nas vizinhanças da isca, aguardando uma oportunidade para compartilhar da novidade, muitas vezes machos com segundas intenções observando as fêmeas que se aproximam para se alimentar ou ovipor na isca.


 
a mosca na isca de peixe

Na mosca! A isca atraiu especies de moscas das famílias Calliphoridae (foto) e Sarcophagidae principalmente, além de espécies parecidas com moscas das frutas e outros organismos que não resistiram ao "banquete", como vespas, formigas e besouros. Como uma visita de reconhecimento fomos bem sucedidos. Iremos testar outras estratégias e metodologias para amostrar as moscas do Parque do Zizo, incluíndo diferentes armadilhas e maior diversidade de iscas.


que pernas enooooormes!




Aproveitamos para registrar mais algumas espécies curiosas que foram "acidentalmente" coletadas pelo puça junto com as moscas coletadas sobre as folhas. Seria um opilião essa bolinha com 8 pernas? Havia uma infinidade destes organismos num certo ponto da trilha

 
Neste trecho estávamos em outra trilha, que subia um moooooooorro em zigue-zague e conforme subíamos, o ambiente ia ficando menos úmido e nada de sapinhos se avistava pelo caminho. Mas encontramos esse monte de ... e ficamos imaginando quem teria "depositado" isso ali. Há uma trilha conhecida por ser frequentada por antas, seria esta uma evidência?


Parente do carruncho?

 As bromélias são famosas por abrigar uma diversidade de hóspedes atraídos pela fonte de água e outros nutrientes. Encontrei esse besouro lindo passeando pelo interior de uma bromélia e registro aqui mais um habitante do Parque do Zizo. Alguém sabe que espécie é esta?




frutos em abundância




Para não dizer que não falei das flores... não são exatamente flores, mas registro aqui também algumas espécies vegetais para aqueles que possam ter sentido falta de um "pé de árvore" neste longo comentário.




Teiú - o guardião do parque


Retornamos da coleta e nos deparamos com este simpático teiú tomando conta da entrada da pousada. Logo que viu que nossas intenções eram das mais nobres, realizar pesquisas científicas, nos deu as costas e seguiu seu caminho tranquilo. 






até a próxima...

Re-encontramos o Gilson e fomos presenteados com uma carona de trator até o carro, que estava nos aguardando ao final de uma estrada de terra íngrime que nos deu um suadouro mais cedo quando chegamos ao parque. Ao longo do caminho registramos ainda algumas pegadas de jaguatirica (se não me engano...) e de um marsupial. 

Vejam as fotos:




duas pegadas e uma formiga...

As duas pegadas estão lado a lado: à esquerda (dedos longos) seria referente a uma espécie de marsupial e a da direita (dedos curtos) seriam as "almofadinhas" de um felino, possivelmente uma jaguatitica. O que a formiga está fazendo aí é uma incógnita, assim como o que se passou entre o felino e o marsupial - se é que houve alguma coisa...


Sr. Francisco Balboni - Chico



Nossos sinceros agradecimentos ao Sr. Francisco Balboni, administrador do Parque do Zizo que permitiu nossa visita ao parque. Como retribuição, o via gene traz esta "matéria" especial.




Araucárias

Nos despedimos do parque com esta imagem das araucárias e com a perspectiva de conhecermos mais sobre a diversidade genética destas moscas. Em breve serão "postados" o relato e registros fotográficos da viagem de coleta que realizamos na última sexta-feira (24/02/2012) em uma área de cerrado do Instituto Arruda Botelho, em Itirapina, próximo à Represa do Broa.


biologia é 10! ana claudia



loading...

- A CiÊncia Perde Um Acervo InestimÁvel: IncÊndio DestrÓi ColeÇÕes De Sapos, Cobras E Lagartos Do Instituto Butantan
O incêndio que ocorreu neste final de semana no Instituto Butantan atingiu em cheio a Ciência Brasileira. O que tem sido divulgado na mídia não reflete a real dimensão da tragédia, a perda - de forma tão devastadora e definitiva...

- Vôo Improvável...
Nota curiosa do cotidiano de um laboratório de genética molecular: Hoje estávamos (eu e meus alunos) dedicados a fazer uma extração de DNA para testar um novo protocolo experimental. Eu falando da importância de realizar esse procedimento em um...

- Curso De Campo Do Mestrado Em Ecologia (ufmg) No Parque Estadual Do Rio Doce
O Parque Estadual do Rio Doce (PERD) está situado na porção sudoeste do Estado de Minas Gerais, a 248 km de Belo Horizonte, na região do Vale do Aço, inserido nos municípios de Marliéria, Dionísio e Timóteo. A unidade de conservação abriga...

- Quando Uma “abelha” Não é Uma Abelha? (mimetismo)
Olhando para a foto acima, a uma primeira vista você diria que está vendo uma abelha, mas na realidade  você está vendo uma mosca. Um caso de mimetismo A semelhança entre a mosca da foto acima e uma abelha é um caso de mimetismo, um processo...

- Cerrado, Mesmo Respondendo Por 20% Do Pib, Está Sob Ameaça
O risco vem das lavouras e da pecuária que desde a década de 1970 avançam sobre a vegetação nativa. Menos de 3% do cerrado tem proteção legal. A quinta reportagem da série especial sobre os biomas do Brasil mostra, nesta segunda-feira (7),...



Biologia








.