BREVE ARTIGO SOBRE A HISTÓRIA DO DNA!!!
Biologia

BREVE ARTIGO SOBRE A HISTÓRIA DO DNA!!!



Muita gente pensa que o DNA foi descoberto por Watson e Crick. Mas nada é mais falso. Em 1953 o DNA já era conhecido há muito tempo: desde finais do século XIX. A meio do século XX suspeitava-se que o DNA podia ser o suporte material dos genes, um conceito então abstrato, mas havia quem pensasse que podiam ser as proteínas a desempenhar essa função (o jovem Watson pensava, de fato, que o DNA era a sede dos genes, mas Crick, o seu colega mais velho, pensava que essa sede estava nas proteínas). O que aqueles investigadores descobriram foi a estrutura da molécula do DNA, a famosa dupla hélice que constitui um ícone da biologia moderna. No breve artigo publicado na revista inglesa “Nature” em 25 de Abril de 1953, Watson e Crick incluíram no meio um esquema simples e a preto e branco da dupla hélice. Em 1983, na altura dos 50 anos da DNA, a “Nature” fez um número especial, onde relatava os espantosos progressos desde então. A revista “Time” também não se esqueceu de ilustrar a sua capa com a mesma molécula, com humanos dentro. O DNA saltou, em 50 anos, das revistas científicas para as nossas vidas.

Vale a pena citar o início do artigo. Repare no cuidado com que a proposta da nova estrutura é apresentada:

Queremos sugerir uma estrutura para o sal do ácido desoxirribonucleico (DNA). Essa estrutura tem características novas com um considerável interesse biológico”.

Considerável talvez fosse dizer pouco. Crick exclamou na altura “off the record”: “Descobrimos o segredo da vida!”.

E vale a pena referir também o final do artigo, que deixa no ar a proposta sobre o modo como a dupla hélice se divide e, portanto, o material genético se prolonga:

“Não escapou à nossa atenção que o emparelhamento específico que postulámos imediatamente sugere um possível mecanismo de cópia para o material genético.”

Uma das hélices serve mesmo de molde no processo de duplicação genética, conforme foi mais tarde comprovado. Hoje sabe-se isso e muito mais: professa-se o chamado dogma da genética molecular, que consiste no modo como a informação dos genes (que são afinal segmentos do DNA) passa para as proteínas através do RNA mensageiro (o RNA é um outro ácido nucléico). E conhecem-se as exceções a esse dogma...

A história da descoberta do DNA está contada na primeira pessoa por James watson no seu livro “A Dupla Hélice” (Gradiva). É uma história que vale a pena ler, pois ilustra como poucas. A ciência em ação, com tudo o que ela tem de melhor e de pior. No final do seu artigo, Watson e Crick agradecem a Maurice Wilkins e a Rosalind Franklin, seus colegas no King’s College de Londres que perseguiam o mesmo problema seguindo uma via experimental. Wilkins, que partilhou o Prêmio Nobel da Medicina e da Fisiologia em 1962 com Watson e Crick, mostrou a watson algumas fotografias de raios X de cristais de DNA que tinham sido tiradas por Franklin (Watson confessou que nessa altura “o queixo lhe caiu e o coração começou a pulsar mais rápido”). É bem conhecida a infelicidade da jovem Franklin, que morreu em 1958 (de cancro, com apenas 37 anos) sem ter visto reconhecida a sua importante quota-parte na descoberta.

Certo é que sem o paciente trabalho com raios X de Franklin não teria havido tão cedo o conhecimento da dupla hélice. Não é demais realçar o papel dessa química formada em Cambridge, onde se especializou em cristalografia. Ela é hoje recordada em particular pelas feministas (talvez por ter sido maltratada por Watson no seu livro). Assinalável foi à maneira como ela aceitou, sem rancor nem azedume, um papel menor na história: limitou-se a escrever um artigo que saiu no mesmo número da “Nature” apresentando dados que corroboravam o modelo de Watson e Crick.

E qual vai ser o futuro do DNA? Foi entretanto efetuada a seqüenciação do genoma humano, conseguida por uma grande colaboração (o Projeto do Genoma Humano foi de início dirigido por Watson). Hoje se procura uma sequenciação barata (e, portanto, individual). E abrem-se perspectivas para aplicações outrora inimagináveis: já hoje se fazem “chips” de DNA que, lidos informaticamente, permitem detectar a propensão genética para certas doenças. Vários tipos de cancro poderão ser antecipados e porventura prevenidos dessa maneira. Se na altura houvesse a tecnologia do diagnóstico por análise do DNA o cancro de Rosalind Franklin talvez pudesse ter sido evitado e ela poderia ter ido a Estocolmo receber o seu merecido prêmio...




loading...

- Dna: Uma Breve HistÓria
Por Luiz Carlos PrazeresParece que a história de toda grande descoberta revela um lado romanceado que faz, às vezes, a realidade misturar-se com a lenda. Conta-se que, em 28 de fevereiro de 1953, o físico britânico Francis Crick entrou...

- ReferÊncias BibliogrÁficas
BRODY,D. E.; BRODY A. R. As sete maiores descobertas científicas da história. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. FOLHA de S.Paulo. Suplemento de 07 mar. 2003. FRIEDMAN, M.; FRIEDLAND, G. W. As dez maiores descobertas da medicina. São Paulo: Companhia...

- O Modelo De Watson E Crick
James D. Watson e o físico Francis H. C. Crick elaborou o modelo da dupla-hélice pára a molécula de DNA. O DNA é composto por duas longas cadeias paralelas, constituídas por nucleotídeos dispostos em seqüência. Essas duas cadeias polinucleotídicas...

- Genes E Destino
Foi publicado na edição de hoje do Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba) um artigo divulgando um pouco da história e o impacto dos estudos sobre o gene BRCA1 implicado com o desenvolvimento de câncer de mama e ovário. Além disso, tentei integrar a questão...

- (unicamp 2005) - Biologia Molecular
Em 25 de abril de 1953, um estudo de uma única página na revista inglesa Nature intitulado ?A estrutura molecular dos ácidos nucléicos?, quase ignorado de início, revolucionou para sempre todas as ciências da vida sejam elas do homem, rato, planta...



Biologia








.